boca a boca

o livro molhado

 

Na madrugada do eclipse, a cidade tremeu em tempestade.

Pela manhã, a surpresa: a potência das (abençoadas) águas inundou a nossa biblioteca. Coisa que às vezes passa, mas me pegou desprevenida… alguns livros queridos, deixados no tapete depois de mais uma vez visitados, amanheceram recheados de chuva.

“Estragaram”, um pensamento súbito-consumista-imediatista.

Mas depois, olhando com mais cuidado, relendo nas páginas ensopadas o choro sutil da primeira folheada, vi que as águas trouxeram à superfície impressões antes invisíveis: as noites e noites de risos e brincadeiras inventadas a partir daqueles desenhos, o calor das mãos que tantas vezes abriram os portais pra tanto carinho, a delícia de uma voz que lia as primeiras frases aprendidas. Desse tesouro revelado, um ato se fez urgente: o livro precisava ser salvo.

Como quem segura um afogado, de secador em punho, soprei um ar caloroso boca a boca, página a página. E aquele tesouro-testemunha de tantos afetos sobreviveu.

Nossas memórias impressas nas entrelinhas foram salvas. Todos os risos, preservados.

Ele nunca mais será o mesmo.

Mas ainda será insubstituível.

 

mais um filho.

o livro

 

Na próxima terça-feira, dia 22 de setembro, virada pra primavera, lua crescente, lá vem mais um broto na história da minha vida.

um livro.

Já fiz filmes e peças pra teatro. O frio na barriga é parecido, mas livro a gente pode carregar debaixo do braço, que nem filho mesmo. Tem uma coisa aqui que difere, que rasga mais, que expõe demais, mas nem por isso é ruim: só tem uma potência tão avassaladora que eu não sei o que fazer com tudo isso até chegar o dia. E hoje ainda é sexta.

Tudo em mim vibra, tudo em mim grita, vertigens à flor da cabeça, suspiros na pele, horas alongadas, nada no lugar, treme o chão, choro, riso, frio, calor, arrepio, alegra-se o espírito. É isso, afinal, estar viva?

As Crianças do Arco-íris

arco-íris

 

AS CRIANÇAS DO ARCO-ÍRIS

Eles eram inseparáveis: uma turminha de estrelas coloridas e brilhantes, que passava o dia todo brincando e se divertindo. Adoravam se jogar de um asteróide de mãos dadas, feito estrela cadente, formando um arco-íris por onde passavam. Eram pura alegria.

Lá do céu, sempre avistavam uma bola linda e azul que parecia sorrir para eles. Quando descobriram que se tratava de um planeta onde viviam pessoas muito diferentes entre si, decidiram que queriam ir para lá. Adoravam novidades. Então correram para a lua, onde as estrelas faziam seus planos para virarem crianças na Terra.

Chegando na base lunar, encontraram os anjos que ajudavam as estrelinhas na sua descida para o planeta: eles escolhiam onde queriam nascer, como gostariam de chegar, em que lugar, a mãe e o pai… E como aquele grupo era realmente inseparável, pediram para ser parte da mesma família, para ficarem juntos pela vida toda. E mais: queriam levar o arco-íris também para a Terra.

O anjo riu e falou:

– Olha, isso que vocês estão me pedindo é um pouco complicado…

– Ah, mas a gente quer continuar com cores diferentes – disse a Luiza

– Eu quero ter cabelo amarelo! – pediu o João

– Eu adoro pele cor-de-chocolate! – pediu Bia

O anjo coçou a cabeça cheia de cachos e pensou: Como fazer para que isso pudesse acontecer?

– Hummm… Para vocês ficarem coloridos lá também, vamos ter que misturar um pouco os pais e mães de vocês… Vamos fazer assim: Luiza e João vão nascer de um mesmo pai e mãe , mas cada um deles nascerá em um país diferente, e a Bia vai nascer de pais mais diferentes ainda. Dessa forma vocês vão conseguir formar o arco-íris de novo.

– Ah, mas se a Bia nascer num lugar distante, como a gente vai se encontrar e morar junto? – Perguntou Luiza

– Ué, é fácil! A gente pode nascer e depois sair procurando por ela – disse João

– Mas João, o anjo falou que lá na Terra tem muita gente, não é? Como é que a gente vai encontrar a Bia no meio daquele povaréu todo?

Luiza e João não conseguiam pensar em nenhuma solução para aquele problema. Mas Bia, que já era muito sabidinha desde sua época de estrela, inventou um plano maravilhoso.

– Já sei! E se eu chegar de barco até a casa onde vocês estão? Eu adoro brincar nas correntes das águas, elas são minhas amigas, tenho certeza que vão me levar direitinho!

O anjo, então, sorriu. Achou que esse plano da Bia, com uma ajuda dos seus amigos lá da Terra, poderia dar certo. Então as estrelinhas saíram, todas muito alegres, fazendo seus preparativos para nascerem no planeta azul.

E, de fato, assim aconteceu.

Na primavera, levada pelo cheiro de mil flores, Bia escorregou como uma sementinha pra Terra. Lá dentro da barriga, enquanto ela ia crescendo e virando bebê, cantava nos sonhos daquela linda mulher que escolheu para ser sua primeira mãe o seu plano secreto.

Assim, quando ela nasceu, tal qual uma pequena lanterna iluminando as primeiras noites do inverno, sua aliada já sabia o que fazer: colocou-a cuidadosamente no seu barco, feito com uma pequena caixinha de sapatos, onde ela poderia ficar acolhida, olhou bem nos olhos dela e disse:

– Minha linda criança, que seja feita sua vontade. Que esse barquinho te leve até sua família, o lugar onde você será feliz.

Dito isso, a mamãe-chocolate deu-lhe um beijo profundo e demorado, cantou a música que chama os anjos, e dos seus olhos deixou correr o rio que levaria Bia até seus novos irmãos. E ela, feliz, sabia que tudo daria certo.

Mas só ali, enquanto navegava, percebeu que havia esquecido de um pequeno detalhe… Não sabia onde era a casa onde estavam as outras estrelas-irmãs! Estava ali, viajando pelas correntes daquele rio, sem saber seu destino.

Ficou desolada… Aquele plano era lindo demais para deixar de acontecer. Bia pensou nas suas alminhas amigas, pensou no anjo, pensou na mulher que primeiro a acolheu, e decidiu: Vou confiar. E entregou-se de vez à correnteza.

O barquinho correu, navegou, até chegar na porta de um homem que conhecia todo mundo naquela região. Esse homem, ao ver aquele lindo bebê recém-nascido num barco-caixinha, pegou-a com todo o cuidado. Nesse momento, o anjo soprou-lhe no ouvido a casa onde morava sua futura família. E ele, com muito carinho, levou Bia ao seu destino.

E assim a turma das crianças do arco-íris se encontrou novamente. Adoram viver em bando com primos, amigos e muitas outras estrelinhas que resolveram também se encontrar no planeta Terra. E hoje continuam correndo, pulando, caindo, levantando, enchendo o ar de graça e cores por onde passam.

E quando alguém pergunta porque essa família é feita de pessoas tão diferentes, eles respondem: porque a gente escolheu ser assim!

😉

(Essa história me foi pedida para uma presentar uma criança -e seus irmãos* – com um conto sobre sua adoção. Quem ganhou um presente fui eu: foi uma honra tão grande que essa chuva de estrelinhas coloridas inudou meu coração de alegria)

*os nomes foram substituídos por fictícios.