dilemas libertos

– Pedro, você prefere o frio ou o calor?
– Quando tá frio, eu gosto de ficar num lugar quentinho, quando tá calor, num lugar fresquinho.
– Eu tô perguntando se você prefere o tempo frio ou o tempo quente.
– No frio gosto de lugar quentinho, no calor de lugar fresquinho, ué.
(Entendi. Demorou, mas entendi.)

<3

“Acho que o Pedro disse alguma coisa pra Júlia no intervalo que ela não gostou. Ela foi para a sala de aula chorando, disse que não queria fazer aula de educação física, que a cabeça doía muito. Eles não quiseram contar nada, mas é melhor perguntar”. (relato da professora).

O que poderia ter acontecido?

No carro, depuramos o fato, o Dja e eu. Ele chorou.

Que foi, Pedro? Você falou mesmo alguma coisa pra ela?

“A dor de cabeça entrou nela, mãe”.

E foi isso mesmo, depois eu soube. Ela teve uma dor súbita, e ele estava tentando ampará-la, abraçando-a.

Não foi nenhuma palavra doída.

Foi a cabeça.

Ufa.

E ele ainda complementou: “Eu não poderia nunca deixar a Júlia triste”.

Morri de ternura.