passear de aletrô

ontem seria um daqueles dias comuns, que começaria com uma consulta médica (com os meninos) às 8 da manhã.

lembramos que era rodízio. unica solução: metrô.

foi uma festa. coisa que não se faz sempre vira programa. eram, de fato, dois interioranos no trem: davam bom dia, sorriam para os rostos incrédulos, falavam para as pessoas: “olha o trem!” como se aquele superprograma fosse também uma novidade para todos.

saindo da estação, ainda pegamos um taxi. Pedro estranhou: “mãe, cadê as pessoas?”

achei engraçado. tentei imaginar o que ele queria dizer, e depois entendi. estamos sempre em família, ou entre amigos (de todas as idades e tipos) e  que às vezes somam um número grande de pessoas. sempre, todas se conhecem, se cumprimentam, conversam, convivem. para eles, não é comum o anonimato em público. não é comum que pessoas que andam juntas não se conheçam, não se cumprimentem, e especialmente, que vão embora sem dizer tchau.

depois, durante horas, os dois ficaram lembrando da sua aventura no trem que se chama aletrô. imitavam a voz over da moça, e narravam os fatos: “desembarque pelo lado esquerdo do trem. aí a moça toca a flauta: túúúúúúúú. aí a porta abre.”

seria lindo se fosse assim.

para eles, assim foi.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s