boca a boca

o livro molhado

 

Na madrugada do eclipse, a cidade tremeu em tempestade.

Pela manhã, a surpresa: a potência das (abençoadas) águas inundou a nossa biblioteca. Coisa que às vezes passa, mas me pegou desprevenida… alguns livros queridos, deixados no tapete depois de mais uma vez visitados, amanheceram recheados de chuva.

“Estragaram”, um pensamento súbito-consumista-imediatista.

Mas depois, olhando com mais cuidado, relendo nas páginas ensopadas o choro sutil da primeira folheada, vi que as águas trouxeram à superfície impressões antes invisíveis: as noites e noites de risos e brincadeiras inventadas a partir daqueles desenhos, o calor das mãos que tantas vezes abriram os portais pra tanto carinho, a delícia de uma voz que lia as primeiras frases aprendidas. Desse tesouro revelado, um ato se fez urgente: o livro precisava ser salvo.

Como quem segura um afogado, de secador em punho, soprei um ar caloroso boca a boca, página a página. E aquele tesouro-testemunha de tantos afetos sobreviveu.

Nossas memórias impressas nas entrelinhas foram salvas. Todos os risos, preservados.

Ele nunca mais será o mesmo.

Mas ainda será insubstituível.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s