o fim

Eram apenas dois olhos vertendo, vertendo, vertendo…

Sentiu seus braços se erguendo em prece,

e todos os seus espinhos saindo, lentamente,  do centro do peito em direção à superfície.

Sua pele, enfim, enrijeceu,

a antiga ardência nas plantas dos pés deu passagem a pequenas raízes,

e a água que era antes jorrava agora também provinha da terra.

 

Olhou adiante e não mais viu o deserto,

apenas uma enorme pradaria sedenta por novo saber.

 

Olhou além do horizonte e perdeu-se, enfim, de seu próprio mirar

 

Ergueu-se entre nuvens frescas

e viu, lá de cima, pela última vez,

um único cacto remanescente sombreando a aridez,

futuro remanso para outros errantes fatigados.

 

Despediu-se do antigo invólucro,

sorriu em gratidão,

engendrou novas promessas,

teceu uma outra trama.

 

Então partiu para um próximo sonho onde, enfim, tornaria-se rosa.

 

 

 

(obrigada, Lauren.

Enfim, livre.)

 

 

 

 

 

Uma resposta para “o fim”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s