4.7. Hoje.

Entre sensações ambíguas, mergulhando nas rachaduras, pedi de presente um abraço do sol.

Estava frio, e ele me acolheu.

Mirando as cicatrizes no cimento, revelou-se o além do solo desgastado.
Havia pontos radiantes.
Constelações que brilhavam em pleno dia, encarnadas.

Talvez as estrelas que me sussurraram fossem ilusão de ótica, desvio de olhos cansados.

Talvez (não).

Não fosse o desgaste do tempo, escurecendo o cinza, não haveria o brilho revelado pelo contraste.

Não há concreto que resista quando o espelho da alma te convida a sonhar.

só hoje.

Foco no abacaxi, que ele tá quase estragando, coloca a roupa da máquina, tira a batata do forno, concentra também no job que já tá atrasado e aproveita e foca no corpo que anda meio parado que que custa andar um pouco e também fazer yoga cadê horário ainda bem que a minha mãe recém operada tá bem e tenho uma irmã e um irmão e toda família ajudando foca agora no sorteio dos boletos pendura uns mas não esquece de tirar do prego sem sonhar com livro no prelo porque agora não da tempo nem pra sentar e nem pra acento pontuação é privilégio reticências nem se fala mas ponto final tem que colocar minha filha entrega logo esse job pra pegar os próximos graças a Deus que tem trabalho não posso reclamar de nada mas reclamo sim dessa familicia e sua corja de seguidores passando motosserra em tudo cagando por onde passam uberizando geral e deixando corpos empilhados e um país inteiro pra gente arrumar lembra do abacaxi senão vai desperdiçar bora virar esse jogo esse ano tem eleição chega desse martírio não fica parada que nem fruta na fruteira esperando alguém tomar uma providência senão você vira banana tipo exportação dada quase de graça com propina em paraíso.

Ou tipo essa aí, que perdeu o ponto.

.

(Vai lá. Descasca logo esse abacaxi.)

Porém, já nascemos livres.

A gata (ainda filhote) observa a rua.

A dona da gata observa, apreensiva, a gata observando seu desejo da rua.

A mulher observa a dona da gata achando que é dona do seu castelo, ou que pode proteger a gata de ser uma gata.

A gata nunca saiu, porque o gato que antes vivia na casa foi atropelado.

A gata veio depois do susto. Luto.

(Mas não se importa com nada disso)

A gata observa a rua, tramando estratégias.

A dona da gata, com medo da negligência, também tece defesas.

A mulher que observa sabe da inutilidade daquilo tudo, mas compreende o impulso da gata e o terror da sua dona.

A gata quer ser gata.

A dona da gata quer ser responsável.

(não quer sofrer outra vez.)

A mulher que observa as duas quer ser livre.

Então lembra-se da menina, que se identificava com a gata dos Saltimbancos, seduzida a trocar filé mignon e almofada pela aventura da vida.

A mulher que observa a criança fala à dona da gata que é necessário confiar. Que as rupturas da vida são vida. Que a negligência não é deixar ir, é estar em ausência do aqui-agora aterrorizada pela culpa, que a toma em rapto.

A dona da gata percebe a prisão onde se encarcerou, por medo do fluxo.

A gata criança suspira, feliz, com o fim do seu cativeiro.

A mulher que observa agora age. E cuida. De todas.

devaneios minguantes

Saiba, menina

Um dia seu frescor será inverno

Entenda, moça,

Que uma estação é apenas evento

Invente, deusa

O tempo de raras belezas

Em que a magia das pétalas recolhidas

Abra seu espírito para o templo de dentro

Para que a segunda primavera seja, de fato,

um jorro

depois da corajosa morte

o Caribe é aqui

 

Esse móvel tem história, uma longa história.
Mas estava tudo escondido sob uma pele desgastada, desbotada, desfiada.
 
Nunca era prioridade essa reforma. Acumulávamos contatos de tapeceiros, pendurados no futuro. Na fila dos boletos, ficava sempre no pé da lista.
 
Enquanto não chegava o dia, eu fazia de tudo pra disfarçar: colocava mantinha por cima (que teimava em deixar à mostra justo a parte rasgada do tecido), e dizia pra mim mesma que aquilo não era tão importante.
 
“É só um sofá, é só um sofá, é só um sofá…”
 
(Mas não colava. Aquele gigante detonado no meio da sala havia se tornando um ícone.)
 
Daí chegou a quarentena. O olhar pra dentro. A urgência da cura, do que pede cuidado.
 
Então ele ousou, o homem-inventor.
Olhou para o corpo rasgado e viu um novo futuro. Pelas suas mãos. Pegou as ferramentas disponíveis, vestiu-se de vontade, e começou.
Um pequeno ajudante, o menino-entusiasmo, somou-se à tripulação.
 
Viraram o casco de cabeça pra baixo, descamaram o tecido doente, e aquela barca revelou sua potencial estrutura. O que estava abaixo era firme. A madeira era forte. Ele iria sobreviver.
 
No lugar do braço, entrou a madeira nova, que estava parada na oficina há anos, apenas esperando sua vez de brilhar.
Aos poucos, a nova forma foi se desenhando: almofadas soltas, madeira aparente. Lixada, envernizada, posta à luz.
Não era uma reforma, era uma revolução.
 
A enorme barca trocou de pele. Ficou com a nossa cara.
O azul profundo do oceano entrou na nossa casa, lavando a memória dos tempos difíceis.
 
Não, não é só um sofá. Nunca foi, nunca será, só.
Esse é nosso navio, e com ele desbravaremos novos mares.
 
(agradecemos aos familiares que nos apoiaram nessa viagem e à Dona Catarina que costurou as almofadas… <3)

o primeiro passo pra fora do ninho

Todos os dias temos a “hora da história”. Um momento de recolhimento antes de dormir. Equalizar a escolha do conto não é fácil, são idades muito diferentes. Mas, com um pouco de ginástica, funciona.
 
Até que chegou o dia.
Quando me dei conta, estava falando sozinha.
Pedro lia um livro, Gabriel outro, e o Chico os imitava.
 
Fiquei puta. Dei chilique. “De que adianta contar uma história se ninguém quer escutar?”
 
Discursei sobre a preciosidade do meu tempo, escorrido inutilmente naqueles minutos inférteis. Bla bla bla.
 
Eles se sentiram culpados.
Eu me senti uma déspota.
(eu fui, de fato, uma)
Quando a rainha de copas abandonou meu corpo, entendi meu ataque de frustração: como ousam não depender mais desse rito, nosso ninho enredado pelas tantas histórias contadas?
 
Como ousam crescer em plena quarentena?
 
O que eu faço com esse espaço aberto, escancarado, na minha vida?
 
 
Ontem li um conto para o Chico, enquanto os dois liam seus próprios interesses.
Todos juntos, no mesmo lugar: nossa biblioteca-cafofo-de-embalar-sonhos.
 
“A gente gosta de ficar perto de você, mãe.”
 
Claro, filho. Claro…
Pode ficar…
Para sempre.

saber da semente

 

Se a semente soubesse
que seria terra sua sina
que seria, depois, socada no escuro,
que seria, nunca mais, soprada nos ares,
brotaria?
fugiria?


se a semente só se soubesse semente
e não também raiz
e não também caule
e não também todo o resto, até as folhas,
até as flores,
(e suas partes feito asas, borboletas)
até o fruto.
(voltando a ser grão com desejo de terra).

Se semente se soubesse só
nunca seria.
ainda bem que elas só são.

o dilema da flor

Como ser flor

Em tempos obscuros

Sem ofender, com a cor,

A nuvem cinza que se pensa apenas pesada?

Que pensa carregar penas,

Mas leva as águas,

Destemperadas

Que, uma vez desabadas,

Soltas na terra, como gozo de claro destino,

Vertem dores, desatino

num singelo e pequenino

(broto)

indicio de novas floradas