identidade

eu 7kg mais magra. Hoje era segunda, mas como era feriado, comi strogonof. mas vou fazer kung fu, de repente agora vai.
estava adorando as aulas de danças brasileiras do Cris Meirelles, mas ele quebrou o mindinho do pé, é mole? um mindinho cambeia a gente toda!
eu sem óculos, mas fazer o que, não dá pra ficar sem nem usar lente. então agora assumi de vez, botei óculos daqueles de aro grosso. meio 60. meio estilozinho. meio máscara do zorro, pra falar a verdade.
eu de cabelo arrumadinho, mas disso já desencanei faz tempo. não quero fazer relaxamento e coisas do gênero, tenho medo de câncer no cérebro e da estética chapinha. pelo menos o cabelo zoado é estilo da família, eu, dja, pedro. o dele tem cachinhos.

crise choque pilha

crise tem sido moda. pra mim, nunca foi. acho um saco, porque tudo pára. ou antes parasse, tudo dá voltas, tudo dá náuseas, eu, correndo atrás do rabo. é claro que vem para bem, a gente cresce e etc, mas até que chegue…são voltas e voltas…
nessa semana assumi uma crise. crisezinha, mas ei-la aí, inevitável, dando sono nas horas erradas e tirando o sono nas madrugadas.
mas dessa vez, ela veio com um rosto. um rosto gordo e escroto. que ria e urinava em mim, enquanto eu, com a boa vontade de uma boa alma, fazia o que ele pedia.
foi um sonho. a figura escrota (antes, não assim revelada) me pedia para que eu pegasse um par de pilhas num poste – assim são os sonhos, não me peça explicações. botei a mão no poste, levei um choque desses de prender os dedos, o cara ria e mijava na minha cara. muito humilhante. por alguma razão desconhecida, o pedro chorou bem nessa hora, como um anjo me tirando de perto daquele traste no meio da madrugada para sua mamadinha de sempre…e deixando claro o confronto com essa energia indesejável.
o cara gordo e escroto?
não. esse é só mais um daqueles personagens internos. a energia indesejável é aquela que me faz virar uma ameba, ficar suscetível, perder meu chão.
por que, ô caralho, eu não faço logo o mero fazer? o que vim pra fazer? por que, ó por que, uma multidão de palavras inúteis invadem minha cabeça me tirando o sossego, atisicando a certeza, a clareza, a coragem, a confiança? a claudia, sei lá. hoje está estranho até dizer meu nome, como se não fosse eu.

a minha casa tem goteira

antes, pingava ni mim
em cima do meu travesseiro
remendamos o telhado umas 1500 vezes. O cara que arruma disse que não tem mais jeito.
agora, quando chove, só chove (e chove meeeesmo) no banheiro.
devo agradecer porque é no banheiro, piso frio?
espero, conformada, pela estiagem? Mesmo que o ar de SP fique horrível?

vitórias ecohumanistas do dia

1.manifestação no IBAMA hoje não teve violência policial
2.conseguiram que haja uma audiência pública com os municípios atingidos por barragens antes de inundarem tudo com a porcaria da usina
Agora só falta o Sr.Antônio Ermínio deixar de lado o capricho, deixar a miopia, deixar essa gente em paz, meu Deus, que todo mundo tem mais o que fazer da vida! E ele não tem? Quem precisa de alumínio, lata de Cola Cola?
para saber mais: http://www.terrasimbarragemnao.blogspot.com/
e tenho dito!