Ode ao câncer contemporâneo

Ela vende.
Ela mostra
ela tem que agradar.
Ela carrega a alegria do sonho realizado
ela espanta tristezas
abomina tristezas
tem que ser digerível

Ela evita o confronto
Mas não se esquiva do confronto com o outro
que possa lhe roubar a posição

Ela evita a dúvida
a dívida
o fracasso
auto-suficiente, auto-centrada, autonomatizada.

Ela sorri para todos
Ela é linda
ela não erra
Ela tem que vender
Ela não silencia
Ela não descansa
ela fala, fala
mas não troca

Ela patina na solidão de si mesma
para ela, silencio é anonimato
e anonimato é morte certa
vida é fama
ser de todos, menos de si.

os outros são apenas aplausos
palcos
degraus
amigos a favor do pêlo
amigos-platéia-aplausos

Silêncio

Silêncio

Silêncio

De repente, uma fratura
vazou um silêncio
vazou outra possibilidade
vazou o desespero de novos caminhos

o desespero da libertação

vazou um outro pensamento
vazou um desejo até então estranho
de não ser ninguém
além da vontade daquele momento

Vazou um desejo de implodir estruturas
de jogar para o alto o pódium de tantos espetáculos
de tantas vitórias

Vazou, e logo foi tapado
com um novo show
que nunca mais foi o mesmo

a partir daquele dia,
a felicidade gerava dúvidas
o espetáculo gerava dívidas

anos de dívidas de alma.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s