Amnésia

Acordei como se a partir daquele dia eu já não fosse mais, contaminada de uma amnésia de tudo o que antes era considerado objetivo. Havia dormido bem? Não sei. Talvez fora abduzida no ato do sono, levada a terras distantes, doutrinada, destrinchada e mandada de volta também com amnésia disso tudo. O fato é que eu flutuava.

Tomar um copo d´água passou a ter mais sentido que me lançar ao doce cotidiano – ao menos era um dos poucos atos para gerar vida, ainda que fosse a minha própria. Assim, tomei cinco copos como quem procura uma resposta ou quer de volta a ignorância – mas a água não perdoa, ela flui, impassível, indiferente às crises humanas, às suas obras e barreiras, para onde tem que ir.

Então fiquei ali, no sol, esperando ter sede novamente.



Uma resposta para “Amnésia”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s