guias da gente mesmo

Outro dia me deparei com isso aqui. Um sorriso de leite.

Fiquei olhando pra ela pedindo conselho. Diz aí, como é que faz mesmo? Ser assim, tão inteira? tão presente?

O que foi que eu deixei pra trás? O que eu tenho que deixar pra trás? Falta ou sobra?

Lembrei dos dias inteiros. Dias para brincar e viver, nunca dormir (era esse o único drama).

Ela me olhou por um tempo. Não respondeu nada muito sério, nem elaborar muito sabia. Só pulou da cadeira e buscou um livro de histórias, me pediu pra ler, enquanto comia sorvete. Sem resposta clara, e sem saída, abri. Ao invés do “era uma vez”, aquela começava assim: uma vez, eu era…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s