ventania de final da tarde

estou vulnerável.
as tantas e tantos em mim disputam espaços. já nem sei mais. cada qual com sua própria bússola, seu tão seu norte.

sou vaso pronto pra ser fincado na terra, se escolho viver entre os homens. busco um propósito-raiz que valha. mas se ainda envergo com o vento, sabe-se lá o dia em que poderei remover as estacas. dói de vergonha ainda estar atada a um pau inerte, por medo de me afundar demais, e morrer de rigidez.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s