chá com shakespeare

pronto. criei coragem e mergulhei nesse oceano. precisava de um tema para o trabalho da pós em direção teatral, pensei que era agora ou nunca pra fazer o que eu quero há muito tempo: hello, Master Shakespeare! pleased to meet you!

no começo, eu pensava que o medo era pelo enfrentamento da imagem canonizada. depois de ler algumas coisas e falar com gente que já fez, ficou a dica: quer fazer? vai lá e faz.

fui lá. mas onde é ? meu deus, aí entendi o medo: não era da Academia, era do pra onde eu iria, e já sabia, lá no fundo, o que seria: o turbilhão. mexer em peça dele não é só literatura! não é só teatro. é girar as engrenagens de coisa antiga, máquina mágica. é , na fala, despertar encantamentos. sendo ou não iniciado, ele constrói feitiços – todos tendem à liberdade, mas essa não é a fruta mais acessível da árvore.

escolhi romeu e julieta. posso aqui enumerar várias razões racionais, mas a primordial foi: era um ímã. sou fascinada por essa peça há tempos. e resolvi ver de pertinho, e ao ver, fui empurrada . porque shakespeare não te deixa só ver. ele te joga , na tempestade. e o único farol é sua poesia.

(e pensar que é só o começo…talvez isso passe de post a categoria nesse blog)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s