e nasce Béatrice Perrier

de uma garrafinha Perrier sem rótulo, levada numa mochila velha. sem pretensão.

só estava ali, desfilando na mala, por dois motivos:

1) era de vidro – portanto, lavável

2) era verde e bonita – sim, e daí?

ouvi de pessoas: “Ui! Perrier?”

virou !: “Ui! Perrier!”

daí veio Béatrice: pra me salvar da chatice.

nasceu da garrafa sem rótulo, tal gênia-mariposa da lâmpida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s