Porém, já nascemos livres.

A gata (ainda filhote) observa a rua.

A dona da gata observa, apreensiva, a gata observando seu desejo da rua.

A mulher observa a dona da gata achando que é dona do seu castelo, ou que pode proteger a gata de ser uma gata.

A gata nunca saiu, porque o gato que antes vivia na casa foi atropelado.

A gata veio depois do susto. Luto.

(Mas não se importa com nada disso)

A gata observa a rua, tramando estratégias.

A dona da gata, com medo da negligência, também tece defesas.

A mulher que observa sabe da inutilidade daquilo tudo, mas compreende o impulso da gata e o terror da sua dona.

A gata quer ser gata.

A dona da gata quer ser responsável.

(não quer sofrer outra vez.)

A mulher que observa as duas quer ser livre.

Então lembra-se da menina, que se identificava com a gata dos Saltimbancos, seduzida a trocar filé mignon e almofada pela aventura da vida.

A mulher que observa a criança fala à dona da gata que é necessário confiar. Que as rupturas da vida são vida. Que a negligência não é deixar ir, é estar em ausência do aqui-agora aterrorizada pela culpa, que a toma em rapto.

A dona da gata percebe a prisão onde se encarcerou, por medo do fluxo.

A gata criança suspira, feliz, com o fim do seu cativeiro.

A mulher que observa agora age. E cuida. De todas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: