em :p arto

suportar

a dor da partida

até que se cumpra o destino fiado.

Com fiar,

na mesma medida

com um pé sem apoio e um passo já dado.

tremer

saber-se incerta

e ver que lá dentro é estranha a morada

habitar

acalmar pensamento

ainda que a carne pareça rasgada

desenhar

num raro silêncio

a linha que escreve o próximo ato

desnudar

em três movimentos

o mar que transborda com sede de praia

acordar

em lúcidas horas

sabendo-se errante sem mapa nem nada

escutar

em ruído constante

a voz que me envia pra terra sagrada

 

receber

na dor de quem pare

o novo que chega da morte iminente

entregar

ainda que tarde

ilusão de que a vida é só pensamento

abraçar

no corpo da gente

o ser que em chegança me pede um abrigo

embalar

num canto-lembrança

tirando da história o terror do castigo

 

mais errar

como erra, criança

a súbita cria tomada de vida

 

e criar

entendendo, na dança,

o tom de uma história não mais dividida.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s